"Como Aprendi a Falar Inglês Fluentemente Depois De Um Porre"

Por: Edu Ferreira

CEO do Inglês🍅Pomodoro, Professor e Pesquisador de métodos de
Aprendizagem Acelerada de Línguas Estrangeiras há mais de 10 anos.

Esta técnica já foi utilizada por mais de 7.928 pessoas, de 30 à 79 anos, para aprender inglês em todos os estados brasileiros.

De acordo pesquisa realizada pela Catho, um dos maiores sites de realocação de profissionais, apenas 5% da população brasileira fala uma segunda língua. Deste total, menos de 3% têm fluência em inglês.

É tão baixo o domínio do idioma pelos brasileiros que isto nos leva a ocupar a 41ª posição no ranking de 70 países desenvolvido pela EF Education First. Perdemos até mesmo para nações bem menores que a nossa, como: Singapura, Peru, Equador, México e Chile.

Para agravar ainda mais este cenário, 88,6% das pessoas acima dos 30 anos que tentam aprender inglês fracassam, ou por se sentirem desmotivadas, ou por tentarem aprender por métodos de ensino que não geraram o resultado esperado e ainda fizeram o idioma parecer um bicho de sete cabeças.

Isto faz com que a maior parte das pessoas pensem que é impossível aprender inglês se não começar desde criança, tipo 6 ou 7 anos de idade.

Porém, segundo pesquisas realizadas pelo MIT (Massachussets Institute of Technology), um adulto pode se tornar fluente em qualquer idioma, desde que sejam feitas mudanças no modo de ensino, e no seu comportamento.

Resumindo: é preciso, além de disciplina, que se utilize o método correto de ensino.

O seu cérebro só vai “aceitar” um novo idioma quando você começar pensar em inglês, ao invés de pensar em português e depois tentar traduzir.

E é exatamente isto que vou te mostrar aqui.

Caro leitor,

Se você está aqui, provavelmente entende como a vida é difícil para quem não sabe falar inglês atualmente.

Você sabe bem como é ficar com uma música americana na cabeça, martelando o dia todo, e não saber cantar e nem tão pouco sabe o que a letra diz. Muitas vezes trata-se até de uma letra proibida e você acha a música linda!

Provavelmente você já perdeu alguns segundos importantes de uma cena do seu filme ou seriado preferido porque estava lendo a legenda e, pra não perder mais nenhum detalhe tem que pedir para assistir a versão dublada.

Talvez você tenha dificuldade até para ler ou falar o que está escrito no letreiro de uma loja famosa ou o nome de um simples produto que tem no supermercado onde você faz suas compras.

Ou até mesmo, já tenha se sentido envergonhado quando alguém compartilha algo em inglês nas redes sociais. Você não entende nada, mas ainda assim dá risada como todo mundo que comentou só para não assumir que não entendeu.

Eu imagino que você tenha muito medo de te perguntarem algo em inglês que você não saiba responder.

Mesmo sem saber, isso pode estar te afastando das pessoas que você ama em diversas situações!

Enfim, você sabe muito bem como é passar vergonha por não dominar o idioma que é oficial ou o principal em mais de 50 países.

O inglês é a terceira língua mais falada no mundo – atrás somente do mandarim e o espanhol, segundo o Wikipedia.

Eu sei exatamente como é isto, e o que tem que ser feito para acabar com esse terror que os cursos tradicionais criaram na sua mente desde o dia em que você viu o verbo “to be” pela primeira vez.

Estou falando sobre uma nova forma de se aprender inglês depois dos 30, resgatando conexões do processo de aprendizado que você explorava, sem perceber, até os 13 anos de idade.

Tudo isto faz com que você consiga acelerar o seu aprendizado em até 7x mais do que se aplicasse um método tradicional.

Mas antes de te falar como você mesmo pode fazer isso, preciso te dizer quem eu sou para falar tudo isso...

Meu nome é Eduardo Ferreira, e trabalho com ensino de inglês para adultos há 12 anos, ministrando treinamentos para executivos de grandes multinacionais.

Tenho especialização em inglês cursada em Cambridge, na Inglaterra, além de dar aulas particulares e de já ter trabalhado como tradutor por vários anos, com mais de 980 peças traduzidas.

O que você vai ler nas próximas linhas pode te ajudar a eliminar de uma vez por todas o bloqueio para aprender inglês, assim como ajudou a um amigo meu, o Fred.

Ele só percebeu que precisava dar um BASTA nessa situação quando tomou um porre por puro desgosto, achando que seus amigos estavam zombando dele…

Vou te contar como eu o ajudei a vencer o medo, a insegurança e a vergonha, mesmo acreditando já ser velho demais para aprender inglês.

Ele me deu autorização para compartilhar essa história com você, na expectativa de poder ajudar outras pessoas da mesma faixa etária que ele, que estejam passando pela mesma situação.

Esse foi, com certeza, um dos casos mais difíceis que já enfrentei. Eu nunca tinha visto uma pessoa chegar ao ponto em que ele chegou.

Aos 34 anos, o Fred tinha plena convicção de que seria muito complicado aprender inglês, e literalmente odiava estudar a língua. Na infância estudou inglês, mas nunca viu nada fora do superficial, além de decorar as cores, os animais e o verbo to be.

O tempo passou, ele foi para faculdade, fez um esforço para voltar a aprender o idioma, mas ficou caro demais e com a agenda apertada não conseguia conciliar sua agenda com as aulas do cursinho longe de casa.

O tempo foi passando, ele casou e hoje divide a sua agenda entre o trabalho como analista de sistemas e os filhos, na Tijuca (bairro da Cidade do Rio de Janeiro).

O que vou te contar agora, aconteceu há mais ou menos cinco meses...

Ele estava na festa de final de ano da empresa em que trabalhava quando surgiu o tema “séries da Netflix”.

So far so good (até aqui tudo bem). Falar sobre filmes e séries em um ambiente descontraído é sempre uma excelente oportunidade de socializar e fazer um network, não é mesmo?

Ele estava há poucas semanas na empresa e ainda não conhecia todo mundo. Então como é fã de ‘House of Cards’ resolveu entrar no assunto em uma rodinha perto do bar da festa.

"Vocês já assistiram a série, “Matadores Em Série”? Comecei a temporada 1 ontem..."

Ninguém sabia qual era a série, então para tentar refrescar a memória do pessoal, ele mandou:

"Aquela, galera, “Cereal Killers!”

Pronto. Silêncio na rodinha, só de meninos (imagina isso!), e alguns olhares de pura reprovação que se voltaram para ele.

Mas o constrangimento não parou por aí…

O nome da série ia se repetindo durante a conversa inúmeras vezes por todas as pessoas na rodinha, que faziam piadas:

“Já viu os sucrilhos assassinos?”

“kkkkk...Qual versão: integral ou com açúcar? “

Ele não entendeu nada daquela conversa solta e começou a se sentir como um completo estranho no ninho.

Você já sentiu o seu rosto queimando e ficando vermelho?

O Fred sentiu exatamente isso!

Ele olhou à sua volta buscando por outros amigos mais chegados, mas estavam todos se divertindo, dando altas risadas em outros grupos de conversa.

O nome da série ficou martelando em sua cabeça:

“Cereal Killers”

“Cereal Killers”

“Cereal Killers”

Ele então ficou meio atordoado com tudo aquilo, decidiu se isolar no bar da festa e começou a tomar um chope atrás do outro.

E ficou ali por mais de uma hora, bebendo sem parar. Um copo atrás do outro. Com uma tremenda vontade de chorar (mas homem não chora :p), por causa de um fato que parecia totalmente sem relevância.

Mas no fundo ele não se recordava de ter sentido tanta vergonha desde que saiu do ensino fundamental.

Sentado na banqueta do bar, seu celular tocou, mas ele não quis atender. Era um amigo que estava na mesma festa, mas do outro lado, perto da pista de dança com umas amigas e queria convidá-lo para apresenta-las a ele.

Uma outra pessoa sentou-se ao lado dele, no bar, e perguntou se ele estava legal (visivelmente embriagado), e ele respondeu: “Sim, tudo tranquilo. Acho que vou para casa”.

É claro que não estava nada bem.

O Fred então levantou, meio que cambaleando, e foi em direção à saída da festa e no caminho encontrou o seu amigo, JP, que perguntou:

“O que houve cara? Estou feito louco te procurando para te apresentar umas gatinhas”

“Tô saindo. Esta festa já deu pra mim”

Contornaram a área da piscina MUITO rápido. E foram para casa, observados pelos outros funcionários que tomavam conta do espaço.

Percebendo a situação, se dirigiram para saída da festa, passando rapidamente pela rodinha dos amigos e, o JP o colocou num Uber de volta pra casa.

No dia seguinte, o JP ligou pro Fred para saber se estava tudo bem:

- Fala Fred, blz? O que houve ontem, cara? Você parecia que estava afogando as mágoas?

- Deixa rolar, não estou a fim de falar sobre isso.

- Impossível, cara. A galera toda percebeu que você se isolou no bar e começou a beber todas, e ficou todo mundo preocupado.

- Ah, JP, fala sério. Os caras ficaram zoando com a minha cara só por causa de uma série.

- Saquei.

- Pois é, ficaram rindo do meu sotaque quando falei o nome da série.

- Ah, então é isso???? Quer dizer, não acredito que você tomou um porre, ficou mal, por causa disso. Você está ‘loko’ mano! Eu ouvi a galera comentando, mané. É só o jeito que se pronuncia o nome da série… Ao invés de Serial, que é “Em série” em inglês, você falou Cereal, que quer dizer Cereal… Foi com isso que a galera ficou zoando, não com seu sotaque!

O Fred encerrou a conversa ali mesmo.

Se sentiu ridículo por uma situação, que na verdade foi criada por ele mesmo, em sua própria mente.

Só que o problema na verdade era bem mais do que um simples sotaque incorreto.

O fato é que ela não ENTENDIA nada do inglês.

E isso fez ele tomar atitudes precipitadas causando frustrações desnecessárias. Enfim, ele constrangeu a si próprio e ao amigo, sem necessidade!

No final das contas tudo isso foi muito bom para o Fred porque ele “virou a chave”.

Ele prometeu a si mesmo nunca mais passar por isso novamente e se conscientizou de que precisava buscar ajuda.

A vida inteira, ele tentou aprender inglês somente por métodos construídos para formar professores de inglês, e não para pessoas que queriam e sentiam a necessidade de se comunicar de fato! Era hora de tentar algo diferente e que fosse eficaz.

De posse da decisão tomada, Fred começou a pesquisar os melhores canais do Youtube para aprender inglês, e se inscreveu em dois canais, um atrás do outro.

No primeiro, ele começou bem e se empolgou por isso. Das 3 lições vistas no primeiro vídeo, ele considerou 2 ridículas de tão fáceis, mesmo tendo pouco conhecimento.

Foi em frente e assistiu uma aula de nível médio, e outras duas um pouco mais avançadas e começou a sentir mais dificuldades.

Voltamos ao problema: Além da falta de orientação e acompanhamento para transpor as dificuldades, as lições acabaram por aí e não houve continuidade.

No outro canal em que se tornou assinante, outro problema. O conteúdo era jogado de forma rápida, sem uma sequência lógica de ensino, e com pronúncias muito difíceis de serem entendidas por quem estava engatinhando no idioma.

Foi então, no desespero, que o Fred ligou para o Rogério, seu amigo de infância e padrinho de casamento, o único que sabia falar inglês.

- Então cara, foi isso que rolou. Eu até me inscrevi em uns canais pra aprender rápido, sacou? Mas não progredi em nada. E agora estou perdido sem saber o que fazer para aprender de uma vez por todas a falar inglês! Quero e preciso muito aprender, mas a grana está curta, e o meu dia-a-dia é praticamente todo tomado de coisas para fazer.

O Rogério então indicou o meu trabalho para o amigo, que me mandou uma mensagem, acho que no mesmo dia.

- Eduardo, tudo bem? Peguei seu contato com o Rogério. Tenho muita dificuldade em aprender inglês. Acho que é por causa da idade. Já passei dos 30 e parece ficar cada vez mais difícil. Me inscrevi em alguns canais que ensinam o idioma, mas não tive nenhum resultado expressivo. Para falar a verdade, me considero ainda no mesmo nível. Será que a gente pode trocar uma ideia? Estou precisando de ajuda urgente! rsrsrs

- Claro que sim. Sem problemas. Eu vou te mostrar algo incomum, totalmente fora do padrão e que provavelmente você nunca verá numa escola de idiomas tradicional. O método que uso para ensinar inglês é baseado em uma sequência lógica de imersão, com nativos americanos e estrangeiros, que, juntamente com foco e administração do tempo, formam uma bomba atômica de ensino. O que você acha? Posso te enviar o link para obter mais detalhes do método?

Pela nossa primeira conversa, eu percebi que se tratava de mais um dos inúmeros casos de pessoas que têm algum tipo de bloqueio para aprender inglês depois dos 30 anos de idade.

Ou então, daqueles que estudaram quando mais jovens, mas ainda não conseguiam se comunicar de forma clara e fluente, já que boa parte dos cursos de inglês nos leva a desenvolver esse terror.

Já tinha recebido mensagens muito parecidas de pessoas que se sentiam impotentes e inseguras, com medo de nunca conseguir falar inglês como gostariam.

Pessoas que adoravam um karaokê, queriam cantar suas músicas favoritas em inglês, mas morriam de vergonha por não conseguir pronunciar as letras das músicas que iam passando na tela...rsrsrs

Pessoas que não conseguiam assistir filmes legendados porque ficavam tontas. Ora focava na legenda, ora focava na cena e fica nesse movimento com os olhos até ficar tonta e desistir.

Ou até mesmo, pessoas que já deixaram de realizar a viagem internacional dos sonhos por não saber falar inglês!

E por isso mesmo, eu sabia que a pessoa iria conseguir eliminar aquele bloqueio, se seguisse alguns passos simples.

No momento em que o Fred teve acesso a este método acelerado de aprendizado, entendeu porque tudo o que havia tentado até então simplesmente NÃO FUNCIONAVA.

Fazer exercícios de múltipla escolha nunca ensinou nada a ninguém!

Não se pode estudar somente gramática O TEMPO INTEIRO.

Entender como aplicar os tempos verbais é muito mais valioso e útil do que decorar verbos!

No começo, ao compreender a estrutura de diálogos e formação de frases, o Fred saiu do Zero para começar a entender de 20 a 30% de suas primeiras leituras.

E aos poucos, foi enriquecendo seu vocabulário. Começou com 5 novas palavras por dia. De 5 para 10… De 10 para 20…

Quando deu por si, ela já sabia ler, escrever e falar mais de 950 palavras em inglês, formando frases com total sentido e até já conseguia ver sua série favorita sem legenda!

- Eduardo, muito obrigado! O curso é simplesmente fantástico. Notei uma evolução tremenda logo na segunda semana, mas o que quero compartilhar com você é que acabei de comprar uma passagem e vou realizar o meu sonho de ir para Miami, na semana que vem. Wooohoo!!

Isso só aconteceu porque o Fred não seguiu um método tradicional!

As escolas tradicionais de inglês jamais ensinariam o que ele aprendeu.

Aliás, muitas diriam até mesmo que esse método é proibido!

Eu mesmo não acreditaria, se não tivesse visto com os meus próprios olhos.

A fluência está ao alcance de todos. Não é questão de inteligência ou talentos especiais.

AMANHÃ: SAIBA POR QUE AS ESCOLAS DE INGLÊS TE ENSINAM ERRADOClique Aqui Para Continuar